Terapias

Desvio “bypass” gástrico em Y-de-Roux

Combina a redução do estômago com alguma diminuição da absorção de nutrientes, que resulta de uma mudança no trajeto dos alimentos pelo intestino. Esse desvio também provoca alterações na produção de hormônios produzidos no estômago e no intestino delgado que agem no controle cerebral do apetite. Como resultado, a sensação de fome é bem menor. É a técnica mais utilizada no Brasil e no mundo por sua eficiência, com baixos riscos de complicações graves e inconvenientes aceitáveis. Uma das alterações hormonais influi também na melhor estimulação à produção de insulina pelo pâncreas, beneficiando assim os diabéticos.

Consiste em dividir-se o estômago em duas câmaras: a maior fica em repouso, excluída da trajetória do alimento, e continua a produzir enzimas que auxiliam na digestão. A menor, em continuidade ao esôfago, fica com a capacidade de 20 a 30 ml, e é emendada ao começo do intestino delgado. Depois desta operação, as pessoas comem cerca de 250 ml de alimento em um período de 30 a 40 minutos e ficam satisfeitas.

A perda de peso média é de 30 a 40% em um ano, quando, em geral, se estabiliza. Numa minoria de casos pode haver recuperação do peso perdido após alguns anos ou, ao contrário, desnutrição. Para que isto não ocorra, é muito importante que o operado seja acompanhado por equipe especializada pelo menos de uma a duas vezes por ano.